terça-feira, 13 de setembro de 2011

Maigret e o negociante de vinhos

Para o dia de sábado ficar perfeito, eu não poderia deixar de passar em uma das livrarias antigas e estilosas do Centro do Rio de Janeiro... e o sábado estava realmente perfeito! Exposição sobre Miles Davis, uma maravilhosa feijoada de almoço, ao rodar pela cidade uma surpreendente banda de jazz na esquina da rua dos mercadores... depois um Sarau proporcionado pela turma do OPA! Ocupações Poéticas. Então não poderia deixar de ir na livraria...

Como se o tempo parasse, me perco na série de exemplares dos mais diversos assuntos. Sabe, não sou eu quem escolho os livros, são eles que me escolhem!

Como a bolsa está sempre cheia e a carteira controlada, estou aderindo a série de pockts que as livrarias deixam disponíveis com livros clássicos e modernos, chegando até os maravilhosos "gibis".

No girar das armações onde ficam expostos, me deparei com os livros de Simenon, onde já havia ouvido falar dele por meu marido, que sabe o quanto gosto do estilo Ágatha Christie. Resolvi "escolher" um: Maigret e o negociante de vinhos.

Este possui uma estória que não dá para parar de ler. A vontade de descobrir o assassino. Resolver a trama e eliminar os suspeitos. Assim li em três dias querendo ter realizado em um.

A estória sobre um homem de negócios pertencente a burguesia parisiense que é assassinado em um bairro nobre. Todos os indícios parecem apontar para um crime passional, contudo o inspetor se surpreende com a curiosa ausência de dor da família e amigos. Sem testemunhas e no frio natalino, o inspetor Maigret reune seus homens em busca do assassino. Inicia-se a busca pelas ruas parisienses, onde as ligações entre os personagens nos faz viver cada possível pista para solucionar o caso.

A obra original foi publicada em 1970 e adaptada para a televisão.

Para quem gosta de romances policiais, Jules Maigret é o mais famoso personagem do escritor belga Georges Simenon (1903-1989), que se destaca por ser um dos escritores mais lidos do xéculo XX. De pouco falar, amante do cachimbo e de uma boa cerveja, o inspetor conquistou fãs por todo o mundo, marcando a literatura policial junto dos investigadores, Sherlock Holmes, Hercule Poirot e outros.

Boa leitura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário