quarta-feira, 20 de julho de 2011

Vinho... A história da vitivinicultura brasileira

Para entendermos um pouco mais sobre a história da vitivinicultura no brasil, vamos voltar ao ano de 1532, quando Martin Afonso de Souza, o donatário da capitania de São Vicente chegou ao Brasil com as primeiras videiras. Em sua expedição estava Brás Cubas, fundador da cidade de Santos e o primeiro viticultor a cultivar a vinha em nosso País.

O jesuíta Roque Gonzáles de Santa Cruz, vindo de Buenos Aires, no ano de 1626, atravessa o rio Uruguai para fundar no Brasil a primeira missão. Com o objetivo da catequese e o interesse de criar comunidades estáveis, levou para a região do Rio Grande do Sul videiras européias. Embora houvesse necessidade da produção de vinho para utilização na missa, a dificuldade de adaptação de variedades viníferas em nossas terras impediu a disseminação da vitivinicultura no Brasil.

No final do sécula XVIII, foram introduzidas as primeiras videiras americanas, uma vez que a Vitis vinifera não prosperava. Uma das primeiras videiras experimentadas foi a Cape.

Em 11 de março de 1813, por um decreto de Dom João VI, foi reconhecido oficialmente que o açoriano Manoel de Macedo Brum da Silveira foi o primeiro a plantar a videira e a elaborar vinho na capitania do Rio Grande. Em 1840, Thomas Messiter introduz a variedade da uva Isabel na Ilha dos Marinheiros, o que foi um grande sucesso devido a sua resistência e rusticidade que proporcionou seu plantio nas regiões em detrimento das cepas viníferas mais frágeis. Esta uva foi disseminada na região de colonização alemã, como São Leopoldo.

Entre os anos de 1870 e 1875, devido a colonização italiana, ocorre um grande crescimento da vitinicultura gaúcha. Esses colonos trouxerem as cepas de uva européias da região de Vêneto, o hábito do consumo do vinho como um alimento, e o ainda chamado espírito vitivinícola. As cepas com o passar do tempo começaram a morrer por causa de doenças fúngicas, contudo a persistência italiana e a vontade de manter sua tradição permitiram aos imigrantes que encontrasse uma espécie de uma para cultivar que se adaptasse a região. A variedade de origem americana, chamada de Isabel (vitis labrusca) foi encontrada na região no vale do rio dos Sinos, onde os imigrantes levaram para a encosta Superior do Nordeste, onde se adaptou muito bem aquelas condições, e permitiu a continuidade da produção de uvas e vinho.

Se instalaram no Brasil, no ano de 1970, as empresas multinacionais que passaram a investir em tecnologia, no incentivo aos agricultores para que colhessem as uvas em perfeito estado e no plantio de castas nobres. Porém o grande desenvolvimento tecnológico ocorreu na década de 80, com a introdução de prensas modernas, novas técnicas de vinificação em branco e emprego do aço inoxidável, entre outros avanços.

Na década de 90 iniciou o processo de crescimento das empresas familiares, através da formação de uma nova geração de enólogos e de grandes investimentos no campo e em tecnologia de vinificação, como as primeiras experiências de implantação do agroturismo.

Salute!!!!!!
 
Fonte:
Tradição, conhecimento e prática dos vinhos
Braga, Danio e Alzer, Celio - Ed. José Olympio


Nenhum comentário:

Postar um comentário