sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Tropa de Elite 2

Como Brasileira e Carioca, e exibido pelo longa mentragem "qualquer semelhança é mera coincidência". Contudo, importante lembrar que para quem mora e vive na Cidade Maravilhosa, muitas das cenas são mais que reais. Certa de que possivelmente muitos não olhem por um bom ângulo a questão da violência em nossa Cidade vista pelo turismo, não posso deixar de dizer que muita coisa melhorou e hoje vejo que como o filme, ainda existem pessoas com caráter, moral e dignidade dispostas a combater a corrupção.
Para quem me conhece sabe que tenho muito amor pela Pátria e defendo (por mais problemas que temos) nosso País. Mas não posso ser hipócrita em achar que está tudo às mil maravilhas e o filme retrata muitos dos problemas que passamos, principalmente a corrupção realizada por aqueles que deveriam nos proteger e defender (policiais e governantes).

Talvez lançado em um momento estratégico, ou não, devido as eleições 2010, para aqueles que possuem o mínimo de memória, devem se lembrar de muitos fatos apresentados no filme, apesar de ser descrito como "nos dias de hoje", ele retrata o período que o Rio de Janeiro viveu em 2007/2008.

O filme relembra o episódio da Rebelião Bangu 1 ano 2002 quando um dos maiores traficantes do país e os membros de sua facção tomaram uma parte do presídio com o objetivo de executar os líderes da facção rival (estejam certos de que evitarei ao máximo citar nomes de bandidos e facções - não dou publicidade para essas pessoas, contudo importante ressaltar o que ocorreu).

Como o filme relata, em sequência diferente, o problema da segurança pública no Rio de Janeiro já havia sido percebido antes da rebelião, ocorrida em 2002, e que piorou consideravelmente com a entrada, na época, do governador do Estado e sua família (Anthony Garotinho).

É claro que o filme não é direto em suas acusações, mas é fácil perceber a relação entre personagens fictícios e suas contra-partes que os inspiraram.


Então após breve comentário do que ocorreu realmente no Estado e gerou o ínício do longa metragem, o filme TROPA DE ELITE 2 trata da questão MILÍCIAS (grupos paramilitares, em geral organizadas por policiais ativos e inativos, bombeiros, agentes penitenciários e até traficantes de drogas. Costumam cobrar uma mensalidade dos moradores das comunidades onde atuam para fornecer uma suposta segurança além de uma série de outros serviços. As milícias são verdadeiras máfias e são mais organizadas que o tráfico de varejo, que não tem capacidade de articulação. A milícia se infiltra na política e no poder público e os usa para seu próprio benefício, a revelia daqueles que moram nas áreas de sua atuação.). Observando que o filme retrata dois lados que o Estado do Rio de Janeiro deve combater para poder ser considerado mais seguro: As milícias e a política de segurança pública.

Tropa de Elite 2 é verdadeiramente uma evolução clara do primeiro filme, tanto em termos cinematográficos quanto em termos de discussão política. Nos faz repensar o Brasil corrupto e vejo como cena mais marcante quando o Capitão Nascimento está na Câmara Legislativa do Rio de Janeiro,  ficção que limpa de certa forma a garganta de muitos cidadãos que gostariam de fazer o mesmo... limpar a cidade das impunidades dos políticos que vivem uma vida de luxo com dinheiro ilícito e que possui sangue em suas mãos.


Sem dúvida toda a equipe que trabalhou para que este filme tivesse a bilheteria esgotada está mais que de parabéns...me sinto orgulhosa pela produção de um filme policial tão bem formulado, porém triste por saber que o que assisti faz parte da minha realidade (polícia e governantes corrupto), mas com a certeza de que irá melhorar...


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário